Nasce uma estrela - resenha da estreia de Bradley Cooper na direção

    Nasce uma estrela - resenha da estreia de Bradley Cooper na direção

    O indicado ao Oscar Bradley Cooper faz sua estreia como diretor de cinema trazendo a terceira releitura da icônica história de amor para a tela grande A Star is Born, uma emocionante e conturbada história de amor entre dois artistas que irão formar um casal no palco e na vida.

    Nasce uma estrela - resenha da estreia de Bradley Cooper na direção

    Ally (Lady Gaga em seu primeiro papel importante no cinema) é uma jovem cantora com muito talento, mas pouca autoconfiança, que ganha as contas trabalhando como garçonete e homenageando Edith Piaf em um clube drag-queen. Jackson Maine (Bradley Cooper) é uma estrela do rock country com muitos demônios (em primeiro lugar, o álcool) e um ouvido que não funciona mais devido ao zumbido. Uma noite, desesperado por um lugar que venda álcool, Jackson conhece Ally enquanto se apresenta em uma de suas noites e o homem imediatamente se apaixona por seu talento e personalidade limpa. Os dois imediatamente começam um relacionamento romântico e, sob sua proteção, Ally rapidamente se torna (também graças a um empresário astuto) a artista do momento. Mas como a carreira da garota está crescendo rapidamente, Jackson continua em sua jornada autodestrutiva que colocará seu relacionamento à prova.



    A versão de Bradley Cooper é o terceiro remake do filme de mesmo nome de 1937 com Janet Gaynor e Fredrich March, precedido pela versão de 1976 (provavelmente a mais icônica, ed.) Com Barbra Streisan e Kris Kristofferson e antes disso da década de 50. Com Judy Garland e James Mason. Uma versão do século 21 deveria ter visto a escuridão do corredor muito antes, com Clint Eastwood dirigindo e Beyoncé como Ally, mas após vários adiamentos de produção, Cooper, selecionado por Eastwood para o papel de Jackson, foi atrás da máquina de. Jack.



    Nasce uma estrela - resenha da estreia de Bradley Cooper na direção

    Desde o início podemos ver em A Star in Born um problema de ritmo que denuncia uma distensão da história (não original em si mesma) que não é atenta. É preciso acrescentar que, apesar do carisma e do talento que a transformaram em um dos ícones pop do novo milênio, Lady Gaga é um pouco e nenhuma atriz. O que é uma pena, considerando a dedicação de Bradley Cooper nas dobras de um personagem não particularmente novo, mas difícil, que além de destacar suas qualidades de atuação (também graças à presença raramente indesejada de Sam Elliot no papel de irmão / figura paterna / empresário Bobby, em cuja voz Cooper criou a voz de Jackson, revela um excelente talento para o canto. Deve-se também dar crédito à proeza surpreendente do diretor para o ator que busca, com resultados discretos, sua própria visão de um filme que agora se exacerbou nos níveis mais altos após quatro versões. A ponta de lança do filme, no entanto, são, sem dúvida, as canções (incluindo Raso, pôster do filme, do qual já podemos prever a indicação de Melhor Canção do Oscar) escrito por Lady Gaga em conjunto com Lukas Nelson que recomendamos ouvir no Youtube.



    Adicione um comentário do Nasce uma estrela - resenha da estreia de Bradley Cooper na direção
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

    End of content

    No more pages to load